sábado, 6 de junho de 2020

Perelman: Strings & Voices Project







CRÍTICAs  Saxofonista Ivo Perelman apresenta novo disco em que dialoga com vozes e cordas...






Por Fabricio Vieira


Mesmo após três décadas de carreira, músicos podem encontrar projetos realmente novos para trabalhar. Fruto de uma residência realizada em janeiro passado na Hundred Years Gallery, em Londres, este Strings & Voices Project traz Ivo Perelman com novos parceiros apresentando possibilidades que se mostram verdadeiramente frescas, horizontes desafiadores à sua sólida música. Este é o 95º álbum lançado por Perelman, registro que mostra que sua trajetória, iniciada em 1989, ainda pode muito surpreender quem a acompanha.
O saxofonista paulistano radicado em Nova York aparece aqui em encontros inéditos com diferentes artistas. Sax tenor, vozes e cordas se uniram em formações nunca (ou pouco) antes testadas pelo artista em sessões de improvisação livre que aconteceram em 26 e 28 de janeiro deste ano. Com organização de Jean-Michel Van Schouwburg (voz), o grupo convocado para dividir as criações das peças com Perelman trazia Phil Minton (voz), Marcio Mattos (violoncelo), Phil Wachsmann (violino), Benedict Taylor (viola), David Leahy (baixo) e Pascal Marzan (guitarra de dez cordas).
Se as parcerias com cordas já foram muitas, os encontros com vozes são raros na discografia de Perelman. Lá em seus primeiros discos ("Ivo" e "Children of Ibeji"), há a participação de Flora Purim. Bem depois, em meados dos anos 2000, a violinista Rosie Hertlein soltava a voz em algumas faixas que gravou com Perelman (em "Introspection"). Mas por algum acaso o saxofonista pouco dialogou com vozes em sua carreira. E aqui se depara logo com duas vozes altamente experimentadas: o belga Jean-Michel Van Schouwburg e o britânico Phil Minton (o intenso resultado deveria fazê-lo pensar em ampliar esses diálogos sax-voz).      



Os encontros realizados em dois dias na Hundred Years Gallery resultaram em seis longas peças. A cada tema, os músicos se alternam, tendo apenas Perelman como elemento constante. A primeira faixa é especialmente marcante, reunindo pela primeira vez em disco Perelman e Mattos, os dois mais antigos e destacados nomes brasileiros da free music; junto a eles está Van Schouwburg. Infelizmente eles aparecem lado a lado apenas nesta faixa (Mattos retorna no terceiro tema, mas esta é a única que não conta com o sax. Quem sabe o empolgante resultado não anime Perelman e Mattos a gravarem juntos?). A mudança dos grupos também muda os caminhos explorados. Se no terceiro tema, onde temos um trio formado por Perelman, Minton e Marzan, a música atinge seus momentos mais intensos (com empolgantes embates entre voz e sax), na última faixa, com Perelman, Wachsmann e Marzan (aqui sem voz), vemos as passagens mais líricas, com o tenor abrindo a peça com linhas melódicas de sutil beleza. Em um vídeo no youtube das apresentações, em que aparece Perelman, Minton e Van Schouwburg, o belga deixou um comentário: "Recording of this new trio in the pipeline". Será que vem algo por aí?







Strings & Voices Project   ****(*)
Ivo Perelman
Hundred Years Gallery


















---------
*quem assina:

Fabricio Vieira é jornalista e fez mestrado em Literatura e Crítica Literária. Escreveu sobre jazz para a Folha de S.Paulo por alguns anos; foi ainda correspondente do jornal em Buenos Aires. Colaborou também com publicações como Entre Livros, Zumbido e Jazz.pt. Atualmente escreve sobre música e literatura para o Valor Econômico. É autor de liner notes para os álbuns “Sustain and Run”, de Roscoe Mitchell (Selo Sesc), “The Hour of the Star”, de Ivo Perelman (Leo Records), e “Live in Nuremberg”, de Perelman e Matthew Shipp (SMP Records)

Os mais lidos...