FREE THE JAZZ!!!

IMPROVISED MUSIC, JAZZ ANARCHY, NEW THING, INSTANT COMPOSITION, OUT JAZZ, ALEATORY MUSIC, MODERN FREE, FIRE MUSIC, NOISE, AVANT-GARDE JAZZ, INTUITIVE MUSIC, ACTION JAZZ, FREE IMPROVISATION, JAZZCORE, CREATIVE IMPROVISED MUSIC. FREE THE JAZZ!!!

*SOBRE (about us)...

domingo, 25 de setembro de 2016

Selo em destaque: Fou Records


O selo francês Fou Records tem discretamente colocado no mercado importantes gravações de ontem e de hoje, apresentando também artistas menos conhecidos que têm ajudado a fazer a free music...



Criado em meados de 2012 pelo franco-argelino Jean-Marc Foussat, o selo Fou Records já conta com um catálogo de aproximadamente vinte títulos, entre álbuns de improvisação livre, free jazz e música eletroacústica/eletrônica. Foussat é um veterano das experimentações eletrônicas que, apesar de ter editado seu primeiro álbum, “Abattage”, em 1983, apenas passou a gravar com regularidade nos anos 2000. Nesse intervalo, trabalhou muito mais como engenheiro de som, registrando e aparecendo nas notas técnicas de muitos discos de Steve Lacy, Derek Bailey e Joelle Léandre, dentre outros nomes da free music. O Fou Records estreou com um disco solo do próprio Foussat, “L’oiseau”, mas a ideia do selo não é se restringir à produção do artista. Em linhas gerais, o Fou Records se divide em três tipos de lançamentos: projetos solo/parcerias de Foussat; gravações de músicos novos/menos conhecidos; registros antigos e inéditos de instrumentistas consagrados do free. Para apresentar o Fou Records, destacamos alguns dos últimos títulos editados (e o disco que inaugurou o selo).  



L’oiseau  ****
Jean-Marc Foussat
Fou Records 
Nesse álbum que inaugurou o catálogo do Fou Records, Jean-Marc Foussat aparece sozinho, munido de sintetizadores (AKS, VCS3), dispositivos eletrônicos e algo de voz, apresentando duas extensas peças suas. Editado também em vinil, com uma faixa de cada lado, L’oiseau homenageia seu filho Victor, morto precocemente em 2012 (além das duas longas peças, há um pequeno intermezzo, de menos de 1 minuto, onde ouvimos apenas a voz de Victor, recitando um poema). Com 20 e 21 minutos, os dois temas (“La Vie S’arréte” e a faixa-título) se desenvolvem de forma contínua, sem quebras – podem ser apreciados como um grande painel –, oscilando entre momentos de maior ou menor uso de ruidagens, pontos de quase silêncio seguidos por ataques, ondulações de potência e pulsações. O controle absoluto do processo demonstrado por Foussat faz dessa uma experiência bastante envolvente.
     




En Respirant  ****(*)
Marialuisa Capurso / Jean-Marc Foussat
Fou Records 
Ao lado da cantora e artista sonora italiana radicada em Berlim Marialuisa Capurso, Jean-Marc Foussat gestou este intrigante En Respirant. As explorações vocais de Marialuisa se integram com perfeição à criação eletrônica de Foussat, resultando em três peças inquietantes. Gravado ao vivo no POP, em Berlim, em 19 de fevereiro deste ano, o álbum abre com o tema mais longo, “Osmosis”, que se inicia de forma lenta e arrastada, com os efeitos eletrônicos e a voz crescendo e ganhando intensidade gradativamente e preparando o caminho para o melhor do conjunto, “Purple Future”. Este, o segundo tema, oferece o melhor da criação vocal de Marialuisa, com um jogo de camadas e repetições de palavras e fonemas por vezes perturbador e hipnótico. A última peça, “Place du Marché”, é a que tem o menor aproveitamento vocal, que cresce apenas de sua metade para frente, mas não atinge os pontos mais elevados ouvidos antes. É curioso que a discografia de Marialuisa Capurso praticamente inexista, sendo que, para conhecer um pouco mais de seu trabalho, temos de recorrer a vídeos no Youtube. Espero que essa parceria com Foussat renda logo outros títulos...





Mujô   ****
Jean-Brice Godet Quartet
Fou Records
O jovem clarinetista francês Jean-Brice Godet criou seu quarteto em 2012, ao lado de Michael Attias (sax alto), Pascal Niggenkemper (baixo) e Carlo Costa (bateria); este “Mujô” é a estréia do grupo, tendo sido registrado em duas sessões diferentes, em 2013 e 2014, no Brooklyn novaiorquino. São sete faixas, nas quais o quarteto apresenta uma música construída com fluidez e bem arquitetada, com os diálogos entre sax e clarinete/clarone criando alguns dos melhores momentos. “Takanakuy”, que abre o disco, é tranquilamente a melhor do conjunto, com os elementos free jazzísticos se desenvolvendo por meio de um intricado tema que oscila com inventividade entre os sopros. Em outro extremo está “La voix des cendres”, sombriamente construída amparada ora pelos graves de baixo e clarone, ora por notas alongadas e dilacerantes do sax. “Ballade suspendue” vai em linha parecida, porém de forma mais melodiosa e relaxada. Já “Eloge de la chute” apresenta alguns dos momentos mais enérgicos e os solos mais bem elaborados. Uma estreia prometedora.






Enfances *****
Lazro/ Léandre/ Lewis
Fou Records 
Este álbum faz parte de uma série de gravações realizadas por Jean-Marc Foussat nos anos 1980, e que agora têm sido editadas em seu selo. Enfances reúne três nomes referenciais da free music, o trombonista George Lewis, o saxofonista francês Daunik Lazro e a baixista Joelle Léandre. Registro ao vivo feito em 8 de janeiro de 1984, surge pela primeira vez na íntegra, em quase uma hora de música – trechos do material apareceram no disco “Sweet Zee”, que Lazro lançou pela hatArt em 85. “Enfances” é dividido em 10 partes, que juntas compõem uma peça de improvisação livre com momentos de intensa inventividade. Além do núcleo sax-trombone-baixo, alguns elementos sonoros extras surgem pontualmente para adicionar colorido ao material executado, como os brinquedos creditados a Lewis e a voz de Léandre, decisiva em alguns momentos, como na parte “5”, a mais extensa e desafiadora das variadas peças aqui apresentadas (que oscilam entre 1 e 19 minutos). Improvisação livre vital, conduzida com genialidade e equilíbrio, com os músicos trabalhando em sintonia e harmonia absolutas.   






----------
*o autor:
Fabricio Vieira é jornalista e fez mestrado na área literária. Escreveu sobre jazz para a Folha de S.Paulo por alguns anos; foi ainda correspondente do jornal em Buenos Aires. Atualmente escreve sobre literatura e jazz para o Valor Econômico. Também colabora com a revista online portuguesa Jazz.pt.
É autor de liner notes para os álbuns “Sustain and Run”, de Roscoe Mitchell (Selo Sesc), e “The Hour of the Star”, de Ivo Perelman (Leo Records)