FREE THE JAZZ!!!

IMPROVISED MUSIC, JAZZ ANARCHY, NEW THING, INSTANT COMPOSITION, OUT JAZZ, ALEATORY MUSIC, MODERN FREE, FIRE MUSIC, NOISE, AVANT-GARDE JAZZ, INTUITIVE MUSIC, ACTION JAZZ, FREE IMPROVISATION, JAZZCORE, CREATIVE IMPROVISED MUSIC. FREE THE JAZZ!!!

*SOBRE (about us)...

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Leitura obrigatória: "Northern Sun, Southern Moon: Europe’s Reinvention of Jazz"




Falar em free music e não pensar imediatamente na Europa é impossível. O continente assumiu posição central nessa seara musical a partir do fim da década de 1960 e sua relevância apenas cresceu, tornando-se um polo vital desde então. Basta notar que alguns dos ícones maiores da free improvisation vêm exatamente da Europa: Peter Brotzmann, Evan Parker e Han Bennink, por exemplo, estarão no topo da lista de qualquer um que se interesse por essa esfera musical.





A história do free jazz se liga ao continente europeu de diferentes formas. Em meados dos anos 60, foi lá que os free jazzistas americanos encontraram talvez o público mais interessado no trabalho radical que desenvolviam. Não à toa, no fim daquela década alguns dos maiores nomes do gênero se mudaram dos Estados Unidos para o outro lado do Atlântico: Frank Wright, Anthony Braxton, Noah Howard, Roscoe Mitchell e o AEOC, Muhammad Ali, Alan Silva, todos se estabeleceram na Europa e ajudaram a fomentar a cena local. Na virada dos anos 60 para os 70, países como Alemanha, Inglaterra, Holanda, França, Suíça e Suécia viram nascer uma destacada geração que revolucionaria os rumos abertos pelo free jazz norte-americano. Além dos citados Brotzmann, Parker e Bennink, outros nomes vitais como Alexander von Schlippenbach, Fred Van Hove, Peter Kowald, Derek Bailey, Gunter Hampel, Willem Breuker e Sven-Ake Johanson surgiram naquele período e deram vida a novas possibilidades sonoras.

É esse pulsante cenário do free europeu, de suas origens até seu estabelecimento, que o pesquisador Mike Heffley desvenda no livro Northern Sun, Southern Moon: Europe’s Reinvention of Jazz. Professor da Wesleyan University, Heffley é mais conhecido por outra relevante obra, "The Music of Anthony Braxton". Mas essa investigação sobre a cena europeia não fica atrás em importância para a historiografia crítica dessa  forma radical de conceber e realizar música.

Heffley defende que a free music europeia nasceu com um pé no free jazz norte-americano, mas buscou e logo encontrou novos rumos para os desafios estéticos inerentes a essa forma de criação artística. Para sustentar suas teses, o autor faz um resgate histórico da música no continente, sempre atento aos contextos social, cultural e mesmo político, onde surgiu toda uma geração genial que ofereceu uma nova visão da música instrumental e da liberdade criacional e interpretativa.

O denso estudo é dividido em três extensas partes: “Emancipation I: From Hierarchy”; “Emancipation II: To Panarchy”; e “Emancipation III: The Archaic Freedom”, nas quais o autor opta por se focar em músicos e locais específicos (além das regiões mais tradicionais de onde brota o free europeu, ele destaca a Tchecoslováquia, a Rússia e a Polônia), desenvolvendo sua história de forma não linear, rondando períodos e músicos centrais para apresentar sua visão sobre a free improvisation europeia e suas particularidades. Em capítulos como “The free world beyond America” e “Now is the Time”, Heffley discute influências, diálogos e inovadoras possibilidades estéticas surgidas na Europa que, posteriormente, influenciariam e realimentariam a cena originária dos Estados Unidos.

Para quem quer aprofundar sua percepção e conhecimento da free music europeia, tão presente para quem acompanha a música livre contemporânea, esse Northern Sun, Southern Moon: Europe’s Reinvention of Jazz é um título fundamental, repleto de informações e discussões bastante instigantes.

Diz o autor na introdução: “European jazz had always labored in the shadow of its African-American parent. Under the latter’s free jazz shadow, however, some European musicians grasped the spirit of that parentage fully enough to free themselves from the role of slavish imitators, to iniciative new approaches and sounds appropriate to their own personal and collective lives (…). These are the musicians of our focus, the voices in this pan-European network of what came to be called in the German-language press the erste Stunde (first hours) of Europe’s Emanzipation from American jazz”.    



"Northern Sun, Southern Moon: Europe’s Reinvention of Jazz"
Autor: Mike Heffley
Yale University Press (2005)
English, 390 pag.








---------------------
*o autor:
Fabricio Vieira é jornalista e fez mestrado em Literatura, tendo se especializado na obra do escritor português António Lobo Antunes. Escreveu sobre jazz para a Folha de S.Paulo por alguns anos; também foi correspondente do jornal em Buenos Aires. Atualmente escreve sobre literatura e jazz para o Valor Econômico.