FREE THE JAZZ!!!

IMPROVISED MUSIC, JAZZ ANARCHY, NEW THING, INSTANT COMPOSITION, OUT JAZZ, ALEATORY MUSIC, MODERN FREE, FIRE MUSIC, NOISE, AVANT-GARDE JAZZ, INTUITIVE MUSIC, ACTION JAZZ, FREE IMPROVISATION, JAZZCORE, CREATIVE IMPROVISED MUSIC. FREE THE JAZZ!!!

*SOBRE (about us)...

sexta-feira, 28 de março de 2014

Nas Prateleiras...







Apanhado de novidades imperdíveis da free music.
Sons de todos os cantos, experiências em várias formas.
Ouça, divulgue, compre os discos.







------------------------------------------------- 
74 Club
Otis Trio
*Far Out Recordings

Desde sua formação lá para 2007, o Otis Trio criou várias composições próprias, testadas e exibidas em dezenas e dezenas de apresentações nos mais variados palcos. Agora o trio do ABC paulista chega a este seu primeiro disco oficial, recheado por alguns de seus temas já clássicos em meio a outros mais recentes. Na realidade, pode-se chamar tudo de novo. Não há leituras engessadas em moldes antes bem sucedidos. Diferentes instrumentistas foram convocados para revigorar com nova voltagem composições bem conhecidas do grupo, em um grande resultado final. O Otis Trio permanece girando em torno de seu núcleo inicial – Luiz Galvão (guitarra), João Ciriaco (baixo) e Flávio Lazzarin (bateria) –, sem dissidências. Além dos habituais colaboradores André Calixto (saxes) e Beto Montag (vibrafone), outros instrumentistas marcam presença aqui, como Nailor Proveta, que toca clarone em “Quarta-feira Santa”, Richard Fermino (clarone), Amilcar Rodrigues (trompete), José Luiz Braz (clarinete) e Marcelo Monteiro (sax barítono). Os músicos envolvidos com o álbum se revezam, gestando faixas com amplitudes sonoras particularíssimas, indo do trio puro em “6x4” ao septeto que conduz a vibrante “DNN”. Versões frescas das clássicas “Sophisticated Junkie” e “Tempestade” reavivam a escuta para quem já ouviu essas peças em diferentes oportunidades. E a nova “Montag’s Dream”, possivelmente a mais bela criação do grupo, não deixa dúvidas de que valeu à pena aguardar por esse álbum vibrante e essencial.






Cherchez La Femme
Made to Break
*Trost Records


O mais recente projeto do saxofonista americano Ken Vandermark chega a seu terceiro álbum. Com apenas três extensas faixas (duas na versão LP), “Cherchez La Femme” apresenta o quarteto – que traz, além de Vandermark, Tim Daisy, Devin Hoff e Christof Kurzmann – em sintonia elevada. “Sans Serif” abre o trabalho com o sax tenor em primeiro plano, em característica intervenção vandermarkeana deslizando sobre uma pulsante pegada conduzida por Daisy, sendo o momento mais forte do registro. Na outra ponta, “The Other Lottery” fecha o disco com atmosfera bastante distinta, com os eletrônicos conduzidos por Kurzmann ditando suavemente os primeiros cinco minutos, para a instrumentação crescer lentamente, ganhando vitalidade só lá pelos oito minutos, quando, após um breve solo de Daisy, o sax tenor volta à carga e, embalado pelo baixo, deixa a coisa mais swingante. Em maio, poderemos ver mais disso ao vivo: o Made to Break vem para algumas apresentações no país.







Look
Ich Bin Nintendo
*Va Fongool

Após um elogiado disco com Mats Gustafsson, o trio impro/noise/punk Ich Bin Nintendo lança mais um petardo. Baixo, guitarra e bateria – um pouco de voz também – estruturam esta nova investida do grupo formado na Noruega em 2010. O ar garegeiro do trio fica mais evidente quando Christian Skar Winther resolve usar a voz. Mas em boa parte dos cinco temas que formam “Look” o que se ouve são investidas improvisativas cacofônicas, como mostra bem a intensa e extensa “Endless Bovis” ou a concentrada energia de “Cream Corn Wand”, a mais ruidosa peça do conjunto. “Let’s Toast”, que fecha o disco, é dedicada a Eirik Tofte, fundador do selo Va Fongool, morto no ano passado.






M/W
Christian Winther e Christian Meaas Svendsen
*Va Fongool

Esse outro título do selo norueguês Va Fongool apresenta uma face bastante distinta das possibilidades oferecidas pela improvisação. Álbum duplo totalmente acústico, traz em um disco Christian Winther, na guitarra, e no outro, Christian Meaas Svendsen, no baixo. Ou seja, são dois discos solos, mas com um instrumentista participando em algumas faixas do outro, o que ajuda a criar uma forte conexão entre os dois discos –parecem mesmo face A e B de um trabalho único. Após ouvir os ataques ruidosos do Ich Bin Nintendo, os ouvidos parecem até ficar mais sensíveis às nuances acústicas, aos efeitos que não ignoram os detalhes, apresentados por “M/W”.


 




Soundtrack
Fake the Facts
*Trost Records

Mais um dos infindáveis projetos com os quais Mats Gustafsson está envolvido, o Fake the Facts apresenta livres improvisações que deslizam por uma ambiência noise, visitando ruidosidades mais agudas apenas em alguns momentos – a destacar nesse sentido “The great fire of London”. Às explorações do sopro de Gustafsson (que aparece nos créditos como responsável por “saxophone-generated ambient noise"), se juntam os processos eletrônicos de Dieb 13 e Martin Siewert, que também toca guitarra. Distante de resquícios jazzístico ou roqueiro, este não é um exemplar de Gustafsson que vá necessariamente agradar aos fãs do The Thing ou da Fire Orchestra, contemplando sua face mais abstrata. O sugestivo título do álbum – ou, ainda melhor, do tema “Polyphony of a Metropolis” –, facilmente nos leva a pensar no plano imagético dessa obra, nela executada ao vivo embrenhada por imagens de cacofônicas metrópolis de ontem e de hoje. 







Songs from my Backyard
SSS-Q
*Wasser Basin

A trompetista portuguesa Susana Santos Silva encontra nesse novo álbum o percussionista Jorge Queijo para breves divagantes diálogos. O duo SSS-Q é um dos diferentes projetos que a trompetista (toca aqui também flugelhorn, flauta e percussão) tem conduzido. Em poucos anos de carreira, Susana tem se destacado como uma das vozes mais interessantes do trompete atual. A dupla cria peças climáticas de orgânica cumplicidade, que exalam espontaneidade e parecem divagar sem pressa, testando possibilidades sonoras amplas, centrados na improvisação, resvalando às vezes no noise, passando por momentos em que o foco é a exploração percussiva. Como eles dizem ao apresentar o som que fazem: “Sem um horizonte à vista e vagueando por caminhos extensos entre o free jazz e o experimentalismo não conceitual”.





Abraham
Ifa y Xango
*Independente/De Werf

Projeto nascido na Bélgica em 2011, o Ifa y Xango é um septeto que traz, ao lado de jovens músicos locais, o saxofonista brasileiro Filipe Nader. Neste disco de estreia, o grupo apresenta 16 (relativamente) curtas peças, que podem ser degustadas como se tratassem de um processo de desenvolvimento de uma obra estruturada por vários segmentos. Percussão, baixo, piano, euphonium e saxes formam o grupo, que tem por base a improvisação livre – apenas três peças são baseadas em composições do pianista S. Gebruers. “Colombe” é um dos destaques do conjunto. Abrindo com o intrigante som do euphonium, conduzido por Van Heertum, logo cede espaço para o protagonismo do piano que, por sua vez, conduz os ouvidos ao solo de sax alto de Nader, que comporá o restante da peça. O solo funciona como uma ponte à vibrante “Uma”, tema seguinte que traz o maior tempero percussivo – e apenas aí somos remetidos ao nome do grupo (Ifa y Xango), que faz referência a divindades afro-religiosas. Uma estreia firme e com inventivos momentos, bem direcionada e estruturada. O grupo entra em julho em estúdio para gravar seu novo álbum.