FREE THE JAZZ!!!

IMPROVISED MUSIC, JAZZ ANARCHY, NEW THING, INSTANT COMPOSITION, OUT JAZZ, ALEATORY MUSIC, MODERN FREE, FIRE MUSIC, NOISE, AVANT-GARDE JAZZ, INTUITIVE MUSIC, ACTION JAZZ, FREE IMPROVISATION, JAZZCORE, CREATIVE IMPROVISED MUSIC. FREE THE JAZZ!!!

*SOBRE (about us)...

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Omaggio a David S. Ware (1949-2012) - IV


O quarteto foi o formato por excelência que marcou a obra de David Spencer Ware. Foi ao lado de piano, baixo e bateria que o saxofonista realizou a maior parcela e os pontos mais elevados de sua vida musical. Ware reuniu pela primeira vez seu quarteto em 1990, durante as sessões (9 e 10 de janeiro) das quais saíram os dois volumes de “Great Bliss”. A seu lado, já estavam Matthew Shipp (piano) e William Parker (baixo), que o acompanhariam ininterruptamente até 2007. Nas baquetas, Marc Edwards, antigo companheiro dos anos 1970 e dos tempos de "Apogee". “Great Bliss” já mostra o grupo em bom entrosamento, com temas encantatórios (como “Bliss Theme”) sinalizando o que viria depois. Neste álbum, Ware ainda se divide entre sax tenor, flauta, saxello e strich (instrumentos pouco usuais, mais lembrados por fazerem parte do arsenal do excêntrico Roland Kirk (1935-1977). No ano seguinte, o quarteto entraria em estúdio para gerar “Flight of I”, registro que já mostra toda a potência do grupo (do lirismo ácido-espiritual de “Aquarian Sound” ao abstracionismo corrosivo da faixa-título). Neste disco, captado em dezembro de 91, Ware passa a se concentra no sax tenor, atitude que manteria pelas duas próximas décadas – somente após 2009, findo seu quarteto clássico, é que ele resgata outros instrumentos de sopro (saxello, strich e sopranino) para compor seu arsenal.


   
David S. Ware praticamente não tocou outras parcerias ou projetos enquanto durou seu quarteto – ou seja, entre 1990 e 2007. Pode-se até afirmar, errando apenas marginalmente, que ele, nessas quase duas décadas, tocou somente com um pianista (Shipp) e um baixista (Parker). Apenas na bateria houve mudanças. Passaram pelo quarteto, em ordem: Marc Edwards (até 91); Whit Dickey (92-96); Susie Ibarra (96-99); e Guillermo E. Brown (99-2007) – em junho de 2003, Hamid Drake substituiu Brown em dois concertos na Europa. Em todo esse período, há registros de apenas um show de Ware com Rashied Ali (duo) e algumas apresentações solistas: o quarteto centralizava e praticamente resumia sua vida musical.
Ware declarava que sempre desejou ter um grupo fixo para desenvolver suas idéias artísticas na potência máxima, algo que, segundo ele, faltava no free jazz, seara marcada mais por colaborações e parcerias múltiplas.
Tal foco no quarteto permitiu que a unidade perfeita do conjunto se estabelecesse e fizesse com que brotasse sequencialmente discos preciosos e irretocáveis, algumas das obras fundamentais da história do free jazz e exemplares centrais da música criativa feita na década de 90. Basta ouvir os fantásticos discos realizados entre 94 e 96, em uma sequência na qual foram gestados alguns de seus capítulos essenciais: “Earthquation” (maio de 94); “Cryptology” (dezembro de 94); “Oblations and Blessings” (setembro de 95); “Dao” (setembro de 95); “Godspelized” (maio de 96); e “Wisdom of Uncertainty” (dezembro de 96). Em qualquer um desses álbuns se encontram parcelas do que de melhor fizeram, arte que engloba energy music, improvisação, temas marcantes, melodias encantatórias, técnica, liberdade, tudo acoplado em um diálogo uno, polifonia na qual a genialidade de cada membro do conjunto tem seu espaço de expressão, ao mesmo tempo em que são peças fundamentais para a construção do todo. A multiplicidade do grupo fica clara quando se ouve os dois discos gravados em setembro de 95. “Oblations and Blessings”, captado nos dias 27 e 28, mostra a face mais incendiária, energy music do quarteto. Já “Dao”, gravado no dia 29, traz a mais complexa construção da banda, na qual todas as suas qualidades se unem para gerar um trabalho de equilíbrio extremo em sua multiplicidade criativa.




Apesar de ter existido até março de 2007, quando realizou sua última passagem pela Europa (da qual surgiu o álbum “Live in Vilnius”, editado em vinil em 2009), o quarteto de Ware perdeu fôlego e foi se extinguido desde o começo dos anos 2000. “Surrendered”, registrado em outubro de 1999, segundo e último álbum do trio lançado por uma grande gravadora (Columbia), pode ser encarado em certo aspecto como o capítulo final de um ciclo. Sendo o trabalho mais melódico e jazzístico do grupo (traz até uma versão para “Sweet Georgia Bright”, de Charles Lloyd), “Surrendered” recebeu críticas no sentido de representar um afrouxamento na pegada do grupo, uma forma de ser menos nocivo aos ouvidos do público da Columbia. Mas o disco, mesmo sendo menos pesado, traz momentos belíssimos: “Theme of Ages” e “Surrendered” se sintonizam com o universo dos primeiros trabalhos de Alice Coltrane (1937-2007), enquanto “Glorified Calypso” swinga de forma contagiante em homenagem a Sonny Rollins.

O quarteto ainda gravaria três álbuns de estúdio, registros diferentes que apontam a tentativa de busca de um novo rumo, um respiro em um relacionamento que não mais rendia como antes. Em fevereiro de 2001, nascia “Corridors & Parallels”. Além da mudança na batida de Brown, fraturada, nada jazzística, o álbum traz Shipp tocando apenas sintetizadores, nada de piano, dando uma outra textura ao grupo. “Corridors & Parallels” meio que anuncia o projeto “Nu Bop” que Shipp tocaria meses depois, mas sem alcançar o mesmo efeito. O disco traz Chris FLAM cuidando de som/mixagem – o mesmo que produziria os bem sucedidos discos “Nu Bop” e “Equilibrium” de Shipp. “Corridors & Parallels” funciona mais como um teste, uma tentativa de variação que não os levou muito distante. O máximo que se pode dizar da obra é “interessante”... Não à toa, o quarteto não levou o trabalho para o palco e nunca mais repetiu o esquema. O quarteto retomaria sua estrutura original para revisitar a “Freedom Suite” de Sonny Rollins, em gravação de julho de 2002, em uma releitura extensa (cerca de 40 minutos) e bem livre – peça que tocariam ao vivo em algumas oportunidades.

Em 2003 seria a vez do último registro de estúdio do grupo nascer. Mais uma vez à procura de uma nova trilha a seguir, Ware convida outros dois nomes para participarem da gravação (algo inédito): Matt Maneri (viola) e Daniel Bernard Roumain (violino). Em 28 de abril de 2003, entram no estúdio para gravar “Threads”, creditado ao “David S. Ware String Ensemble”, não mais ao “Quartet” que centralizava sua obra há mais de uma década. Outra particularidade: Ware não participa como instrumentista da sessão de abril, apena a dirige. Os saxes que aparecem no disco seriam adicionados depois, apenas em junho. Se “Corridors & Parallels” já era um disco fora do eixo da discografia de Ware, “Threads” mantém o processo especulativo e tenta decifrar outras possibilidades sonoras. Alguns temas mais marcantes, como “Sufic Passages” e “Weave” se destacam, mas destoam (sem superar, longe disso) do conjunto da obra.
O quarteto não mais voltaria a estúdio e também passaria a tocar menos ao vivo. Seus integrantes, especialmente Shipp e Parker, conduziam diferentes projetos na época e a dedicação ao “David S. Ware Quartet” não podia mais ser a mesma.

Após um 2005 silencioso, o quarteto fez um concerto em junho de 2006 no Vision Festival, registrado no álbum “Renunciation”, que foi considerado como a despedida do grupo – até que em 2009 chegasse ao mercado o vinil “Live in Vilnius”, com um registro gravado em 24 de março de 2007, que passou a ser encarado como o testamento final do quarteto.

O David S. Ware Quartet não deixou muitos testemunhos ao vivo (são três álbuns oficiais) e não são variados os bootlegs/audience recording a circularem por aí. Nesse registro de 2003, podemos apreciar o grupo em voltagem precisa, entoando temas de diferentes épocas, com intensidade reservada, em tom até mais contido, mas música essencial, fração de um tempo agora definitivamente encerrado.



David S. Ware Quartet”. Live at Club La Palma, 2003.

1. Surrendered
2. unknown/improvisation
3. Mikuro's Blues
4. Bliss Theme
5. African Drums

*David S. Ware: tenor sax
*Matthew Shipp: piano
*William Parker: bass
*Guillermo E. Brown: drums

Recorded live at Club La Palma, Rome/Italy, March 26, 2003.


----------------
Photo by Jimmy Katz