FREE THE JAZZ!!!

IMPROVISED MUSIC, JAZZ ANARCHY, NEW THING, INSTANT COMPOSITION, OUT JAZZ, ALEATORY MUSIC, MODERN FREE, FIRE MUSIC, NOISE, AVANT-GARDE JAZZ, INTUITIVE MUSIC, ACTION JAZZ, FREE IMPROVISATION, JAZZCORE, CREATIVE IMPROVISED MUSIC. FREE THE JAZZ!!!

*SOBRE (about us)...

sábado, 1 de setembro de 2012

Matana Roberts: "Não me considero uma jazzista"


 
Ada Rave, Ingrid Laubrock, Virginia Genta. Não são muitas as mulheres que atuam como saxofonistas no universo do (free) jazz ou da improvisação livre. E Matana Roberts, que estará neste sábado em São Paulo para concerto único, é sem dúvida uma das vozes mais expressivas – entre os músicos todos que têm feito nossa contemporaneidade sonora. 
.
Desde que estreou em disco no começo dos anos 2000, Matana tem mostrado como aliar lirismo e liberdade na feitura de uma música que consegue alternar momentos mais relaxados com pontiagudas passagens solísticas. Seu som não é ríspido como o de Virginia Genta, especialmente se ouvirmos seus primeiros trabalhos, com o trio “Sticks and Stones”, ao lado de Josh Abrams (baixo) e Chad Taylor (bateria). Apesar de ter realizado seus principais projetos apoiada no sax alto, Matana também toca clarinete, instrumento que primeiro estudou.
Em conversa com o Free Form, Free Jazz antes de embarcar para o Brasil, Matana falou um pouco de seu trabalho, suas ideias e projetos:

Eu comecei no clarinete ainda criança, para depois chegar ao saxofone, que foi [o instrumento] com o qual mais me senti confortável”, contou.

O concerto que fará na cidade deve ser de pendor mais intimista, basicamente uma apresentação de sax solo – para a primeira parte da performance está programada a participação do percussionista Maurício Takara. Matana esteve no Brasil em 2009, junto com a ‘Exploding Star Orchestra’, do cornetista Rob Mazurek, em uma noite que contou com outras grandes figuras, como Nicole Mitchell, Kevin Drumm e Roscoe Mitchell.

Rob é um dos meus heróis. Eu tive grandes momentos com a Exploding Star Orchestra, foi uma bela experiência. Conheci gente muito bacana no Brasil e estou ansiosa para retornar ao país. O que não deu foi para conhecer muito a música brasileira, mas espero mudar isso um pouco nesta nova visita!



Diferente do que possa parecer a princípio, Matana não pertence à free improvisation. A composição é uma peça relevante de seu processo artístico, como ficou explícito em seu ambicioso projeto “Coin Coin”, do qual já tivemos a oportunidade de ouvir a primeira e segunda partes de um painel que promete alcançar doze capítulos. Quem escutou “Coin Coin. Chapter One: Gens de Couleur Libres” teve a oportunidade de se deparar com as amplas referências que compõem essa personalidade múltipla. Jazz, blues, improvisação e até spoken word marcam esse processo criativo, no qual há espaço tanto para a improvisação quanto para a composição.

Eu gosto de ser uma compositora e também de criar sons conceitualmente. Acredito na liberdade sonora, mas realmente gosto de tocar música que tenha ambas as ideias [composição e improvisação] funcionando juntas o tempo todo.
O projeto [Coin Coin] começou em 2005, graças a uma bolsa concedida pelo
Roulette Intermedium de Nova York. Eu tenho um grande interesse pela história americana e queria encontrar uma maneira de trazê-la ao meu trabalho. Não tenho certeza de quando haverá um novo lançamento [do projeto Coin Coin] ou quando o próximo capítulo estará pronto, estou atualmente trabalhando nisso.

A música de Matana tem sido construída nessa década em diferentes formatos, trio, quarteto, a grande banda envolvida em Coin Coin ou mesmo as experimentações solísticas que veremos no sábado. Contemporânea e (pós)moderna, a música da Matana não chega a se embrenhar pela improvisação livre, mas também não se mantém dentre de uma linhagem jazzística (ao menos ela diz que não):

Definitivamente não faço jazz. Também não faço ‘free music’, talvez avant-garde... Não me considero uma jazzista. Trata-se apenas de sons que intimamente falam de mim. É uma mistura experimental de ideias que me inspiram, é algo que não pode realmente ser rotulado”, explicou Matana.

Cria da rica cena musical de Chicago, a saxofonista fez parte da lendária cooperativa AACM (Association for the Advancement of Creative Musicians), casa de Wadada Leo Smith e do Art Ensemble of Chicago. Qual o papel da AACM hoje para a formação e divulgação da great black music?


Eu sou uma ex-membro da AACM. Estive em atividade por um relativamente curto período de tempo, enquanto vivia em Chicago, depois me tornei membro associado quando me mudei para Nova York. Sou muito grata a eles por sua positividade e apoio ao longo dos anos, sinto que são um grupo muito especial e que merece sempre estar em foco. Mas não posso falar sobre como trabalham hoje, não sei ao certo o que acontece [na AACM] agora, meu envolvimento com eles desde que parti para Nova York tem sido superficial.”



Matana tem estado em destaque desde a época do Sticks and Stones, mas, indiscutivelmente, foi a partir de 2011, com o lançamento de “Coin Coin” (que figurou em vários ‘Top 10’ do ano passado), que a saxofonista passou a receber uma atenção mais ampla. Será que essa exposição maior tem ajudado a chamar a atenção para as mulheres saxofonistas ou das mulheres para o sax como caminho de expressão artística?

Não tenho certeza se o meu trabalho ajuda a incentivar as mulheres a tocarem sax. Eu só espero que isso tudo inspire as pessoas a fazerem arte, pouco importando o meio escolhido. Há uma porção de mulheres saxofonistas por aí, apenas não recebem ainda atenção da imprensa.
“Acho que é importante para os músicos mais experimentais continuarem tocando e buscando oportunidades para mostrar [o que fazem]. Se você faz um trabalho honesto, acredito que as pessoas acabarão por descobri-lo.


------------------
**Uma versão deste texto, mais enxuta, foi publicada na edição do dia 30/8 do jornal Valor Econômico.
--------------------------

MATANA ROBERTS
Quando: hoje (sab); às 21h
Onde: Sesc Belezinho
Quanto: R$ 6 a R$ 24