FREE THE JAZZ!!!

IMPROVISED MUSIC, JAZZ ANARCHY, NEW THING, INSTANT COMPOSITION, OUT JAZZ, ALEATORY MUSIC, MODERN FREE, FIRE MUSIC, NOISE, AVANT-GARDE JAZZ, INTUITIVE MUSIC, ACTION JAZZ, FREE IMPROVISATION, JAZZCORE, CREATIVE IMPROVISED MUSIC. FREE THE JAZZ!!!

*SOBRE (about us)...

sexta-feira, 16 de março de 2012

Março incendiado: John Zorn (IV)

Não diferente do roteiro vivenciado por muitos da minha geração, o nome de Mike Patton surgiu no horizonte antes do de John Zorn. Começava a década de 1990 e, mesmo que o interesse se focasse em outras expressões roqueiras, estava lá inevitavelmente o Faith No More. “The Real Thing”, de 89, com Patton nos vocais, adentrou a estante de muitos garotos e garotas na época. Nunca foi prioridade para mim buscar ter o disco original, mas inevitavelmente gravei um K7 e ouvi os hits “Falling to Pieces”, “From out of Nowhere” e “Epic” centenas de vezes. Mas como o estilo não fazia parte do meu foco musical (onde os comandantes eram The Jesus & Mary Chain, Bauhaus, Sisters of Mercy, My Bloody Valentine, Sonic Youth, Pixies), me esqueci do Patton até descobrir anos à frente o sax de Zorn e, consequentemente, suas parcerias com o ex-vocalista do Faith no More. À primeira vista, certo estranhamento em ver os dois nomes associados –que diabos o Patton poderia agregar à rasqueira saxística de Zorn? –, isso porque desconhecia as investidas mais interessantes com as quais o vocalista estava envolvido (Mr. Bungle, Fantômas...).

Zorn e Patton, muitas vezes juntos a outros músicos, já completaram duas décadas de encontros, que tiveram início em meados dos anos 90, em um momento em que o vocalista atingia o auge da fama devido ao FnM. Dentre os encontros musicais primeiros dos dois está “Elegy” (92), escrito e produzido por Zorn e ‘vocalizado’ por Patton. Depois muita coisa viria, intensos trabalhos como “Hemophiliac” (2002, com Ikue Mori), participações em reedições especiais de projetos seminais de Zorn (Naked City e Painkiller) e muitos concertos improvisados.
Em 1998, a dupla se uniu ao baterista Dave Lombardo (Slayer) na cidade de San Francisco para improvisar um pouco. No palco do Slim’s, o trio apresentou cerca de uma hora e meia de som arisco, energy music que pode ser resumida na última das 14 faixas-improvisos do espetáculo: comece pelo fim e descubra logo o que os três músicos fizeram.

"Zorn, Patton & Lombardo at the Slim's"
*John Zorn: alto sax
*Mike Patton: vocals, laptop
*Dave Lombardo: drums

Recorded live at the Slim's in San Francisco, Sept 15th, 1998.