FREE THE JAZZ!!!

IMPROVISED MUSIC, JAZZ ANARCHY, NEW THING, INSTANT COMPOSITION, OUT JAZZ, ALEATORY MUSIC, MODERN FREE, FIRE MUSIC, NOISE, AVANT-GARDE JAZZ, INTUITIVE MUSIC, ACTION JAZZ, FREE IMPROVISATION, JAZZCORE, CREATIVE IMPROVISED MUSIC. FREE THE JAZZ!!!

*SOBRE (about us)...

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

A free music esmiuçada em verbetes








“Free Jazz and Free Improvisation: An Encyclopedia”
Autor: Todd S. Jenkins
468 pg.
Editora: Greenwood



Para os apreciadores da free music, tanto na expressão histórica do free jazz, quanto na reinvenção européia via free improvisation –sem esquecer suas diluições e recriações mundo afora–, o jornalista americano Todd S. Jenkins redigiu uma ampla e bem documentada enciclopédia. Publicado em 2004, Free Jazz and Free Improvisation: An Encyclopedia é dividido em dois volumes, com dezenas de verbetes que abrangem instrumentistas, grupos, selos, gravadoras, buscando abarcar os diferentes aspectos e protagonistas dessa esfera musical ainda relativamente marginal.

Jenkins aborda tanto nomes canônicos (Ornette, Ayler, Brotzmann, Cecil Taylor) quanto músicos mais jovens que fazem a música hoje (Tim Daisy, Mats Gustafsson). Os brasileiros estão representados por seus dois maiores nomes na seara free: Ivo Perelman e Márcio Mattos. Porém, apesar da pesquisa que demonstra ser cuidadosa e extensa, o autor deixou algumas pequenas lacunas, como a falta de data de nascimento de alguns músicos ou morte de outros. Também nota-se a ausência de verbetes para figuras de relevo que estão na ativa (alguns há um bom tempo), como o trompetista Dennis González e os bateristas Paal Nilssen-Love e Mark Sanders.

De qualquer forma, Free Jazz and Free Improvisation: An Encyclopedia se revela um livro fundamental para quem se interessa por esse tipo de som, auxiliando em consultas específicas e também no desbravamento de nomes ainda pouco conhecidos (ou mesmo desconhecidos). O que talvez iniba os potenciais leitores é o preço elevado da obra, que gira em torno de US$ 200, valor inexplicável considerando-se que não é tão extensa (menos de 250 pg. em cada volume), além de não conter fotos ou recursos gráficos que pudessem encarecer o material.