FREE THE JAZZ!!!

IMPROVISED MUSIC, JAZZ ANARCHY, NEW THING, INSTANT COMPOSITION, OUT JAZZ, ALEATORY MUSIC, MODERN FREE, FIRE MUSIC, NOISE, AVANT-GARDE JAZZ, INTUITIVE MUSIC, ACTION JAZZ, FREE IMPROVISATION, JAZZCORE, CREATIVE IMPROVISED MUSIC. FREE THE JAZZ!!!

*SOBRE (about us)...

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Arthur Doyle: um outsider, de fato (I)

Arthur Doyle é, indiscutivelmente, um outsider. Apesar de estar na ativa desde os anos 60, sempre permaneceu à margem. Foi no Alabama, em 1944, que o saxofonista nasceu. Como ocorreu com muitos músicos ligados ao jazz, migrou para NY em meados dos 60. Por lá, se envolveu com o pessoal que levava a sonoridade jazzística a seu extremo. Um de seus encontros no período foi com o mítico Sun Ra, que chegou a convidá-lo para ingressar em sua 'Arkestra'. Doyle dividiu algumas gigs com Ra, mas seguiu seu rumo. Nesse período, participou de suas primeiras gravações, aparecendo em clássicos como “Black Ark” (1968), de Noah Howard.


Ainda sem estrear como líder, Doyle adentrou a década de 70 saboreando gigs com diferentes músicos da cena free _Bill Dixon, Sam Rivers, Andrew Cyrille, Dave Burrell... Até que, em 1972, sofre um colapso nervoso, que congela sua carreira. Até 75, Doyle ficou praticamente isolado do mundo musical. Vindo o ano de 1976, foi retomando o ritmo e acabou por gravar outro clássico underground: “Babi Music”, com Milford Graves. Um pouco depois, em 78, lançaria seu primeiro disco como líder: Alabama Feeling.

Doyle conta em entrevistas que sempre foi o filho-problema: enquanto seus irmãos (quatro) foram estudar, com alguns se dedicando à carreira acadêmica, ele resolveu assumir a errática estrada de músico. E pior: de free jazz _nada de fama ou dinheiro.

Resolveu, no começo dos 80s, em meio às dificuldades de sobrevivência nessa que foi uma década obscura para os músicos free, tentar a sorte na Europa, sem conhecer ou ser indicado por alguém. Desembarcou em Paris em 1982. Mas não duraria muito sua aventura europeia: logo se meteu em confusões na noite e acabou preso (segundo ele, injustamente: a acusação de abuso sexual que sofreu acabou por ser retirada; o processo, arquivado). Mas teve de encarar alguns anos pelos cárceres franceses. Enquanto esteve preso, sem poder tocar e sem acesso ao saxofone, Doyle começou a compor ‘canções’ intensamente (algo não muito usual para um free jazzista). Quando é liberado, em 87, retorna para os EUA com 300 canções anotadas. Pequena parte desse ‘songbook’ foi gravada, com destaque para o álbum “Plays & Sings From The Songbook”. É nesse período que surge o Arthur Doyle cantor, onde afloram suas influências e interesses pelo gospel e o r&b _tudo sempre filtrado por sua visão particularíssima, que ele chama de free jazz soul.



Se nunca conseguiu ter nem a ‘fama’ de alguns de seus contemporâneos da cena free, Doyle é hoje, ao menos, reconhecido como uma das vozes relevantes e distintas do sax livre. O guitarrista Thurston Moore, além de ter colocado Alabama Feeling em seu Top 10, já homenageou o saxofonista, que aparece no título de uma faixa de Sonic Nurse (SY): "Kim Gordon & The Arthur Doyle Hand Cream".

Apesar de tudo, Doyle mostra-se, em recente entrevista, focado no rumo que escolheu, sem arrependimentos ou auto-indulgência:

"I love being underground, man. They get you into the mainstream, and it's not happening, trying to be commercial. That was part of the conspiracy in the 1970s against free jazz. Rashied Sinan… he just disappeared! Government and police fucking with musicians. They got people to go mainstream. I didn't want to play that, I wanted to play free jazz soul. Free jazz soul music is what I play. I'm happy underground. There's not much money, but I'm happy. And that's a victory: being happy."

---------------------------
Alabama Feeling foi captado no fim de 1977, no loft Brook, que era comandado pelo saxofonista Charles Tyler. O disco, recheado de referências e reminiscências pessoais, como indica o título, saiu em tiragem de 1.000 cópias em 78. Apenas duas décadas depois ganhou uma limitada edição em CD. Para compô-lo, Doyle foi acompanhado de músicos pouco conhecidos, como o baterista Rashied Sinan (que participou de outro grande disco da época, Black Beings, de Frank Lowe) e o trombonista Charles Stephens, um antigo amigo seu, responsável por tê-lo apresentado a Sun Ra. Álbum explosivo e intenso, Alabama Feeling mostra toda a potência de Doyle, agarrando o ouvinte logo em sua faixa de abertura, a poderosa “November 8th Or 9th – I can't Remember When”. Para elevar a temperatura, Sinan, que deveria ter gravado o disco sozinho nas baquetas, recrutou outro baterista, Bruce Moore. O disco foi masterizado/editado por outro ícone underground: Marzette Watts.




*Arthur Doyle (sax tenor, flute, bass clarinet)
*Charles Stephens (trombone)
*Richard Williams (Fender bass)
*Rashied Sinan (drums)
*Bruce Moore (drums)


ALf
1. November 8th or 9th – I Can’t Remember When
2. Something for Caserlo, Larry, & Irma
3. A Little Linda, Debra, Omita, Barry & Maria
4. Ancestor
5. Mother Image, Father Image
6. Development: BaBi Music for Milford & Huge/ Alabama Soul for Arthur/ Ramie & Master Charles of the Trombone

Recorded live at the Brook, November 11, 1977.