FREE THE JAZZ!!!

IMPROVISED MUSIC, JAZZ ANARCHY, NEW THING, INSTANT COMPOSITION, OUT JAZZ, ALEATORY MUSIC, MODERN FREE, FIRE MUSIC, NOISE, AVANT-GARDE JAZZ, INTUITIVE MUSIC, ACTION JAZZ, FREE IMPROVISATION, JAZZCORE, CREATIVE IMPROVISED MUSIC. FREE THE JAZZ!!!

*SOBRE (about us)...

domingo, 25 de abril de 2010

John Zorn: sem fronteiras

John Zorn se solidificou como ícone central da música livre das décadas recentes. Envolvido em uma série de projetos, sempre disposto a romper as barreiras do free jazz e de outras sonoridades radicais, Zorn tem firmado parcerias com os mais variados músicos desde os 70s. Nascido em Nova York, em 1953, o saxofonista iniciou seus estudos musiciais ainda jovem, tentando a guitarra e a flauta. Na adolescência, tocou baixo em bandas de rock. Interessado depois na música erudita contemporânea, foi estudar composição na Webster College, St. Louis, onde, conta-se, mergulhou no free jazz e o que se tornaria seu instrumento principal: o sax alto. A gravação “For Alto”, clássico solo de Anthony Braxton, de 1968, teria sido decisiva para a escolha de seu caminho.

O trabalho de Zorn reflete o caldeirão que envolveu sua formação e história. Um dos momentos mais intrigantes de seu território sem fronteiras foi o Painkiller, formado na década de 90. O trio contava com Mick Harris (um dos pais do Napalm Death e do grindcore) na bateria, o que atraiu a atenção de ouvidos extremos de outras partes para Zorn. Masada, Naked City, 'soundtracks', releituras da ‘Jewish music’ e de clássicos de Ornette Coleman (Spy X Spy), Zorn demonstra não estar satisfeito a rótulos ou limites de gêneros. Ao fundar o selo Tzadik, em 95, encontrou uma forma de tocar e lançar seus variados projetos, eliminando barreiras que sufocam tantos músicos. Nas últimas três décadas, editou uma infinidade de álbuns, com resultados bastante variados.

Encontrar músicas e informações sobre Zorn espalhados pela web não é tarefa difícil: o cara é mesmo um ícone contemporâneo da radicalidade. Há até sites _como ‘Zornography’ e ‘Tzadikology’_ que se dedicam apenas a propagar a obra dele. Além disso, boa parte de sua extensa discografia permanece em catálogo. Selecionei, então, um ‘bootleg’, um encontro de Zorn com a baterista Susie Ibarra no aclamado Vision Festival, em 1997. A dupla gravaria depois um exelente disco oficial, que faz parte da série 50th Birthday Celebration (Zorn é obcecado por séries), lançado em 2004, que conta ainda com a partipação do trompetista Wadada Leo Smith. Zorn exibe aqui seu sax alto, de sopro mais ligeiro que encorpado, do qual gosta de extrair quebradas e agudas frases, em conversações com Ibarra e seu toque percussivo sutil, pulsante, que, em muitos momentos, ecoa seu mestre Milford Graves.










*John Zorn: alto sax
*Susie Ibarra: drums, percussion

Recorded live at the Angel Orensanz Center, Vision Festival (NY), on May 28th, 1997